• Marina Alagia

7 dicas para organizar o guarda-roupa

Atualizado: 18 de Ago de 2020

Com a falta de organização e a pouca amizade com o tempo, sim, precisamos ser amigos do tempo, para conseguirmos ter um dia menos corrido e uma rotina mais leve e que faça sentido {vou fazer um artigo no blog sobre como aprender a ser amiga do tempo tem mudado a minha vida, para te ajudar também}.

Mas enquanto não sabemos do valor do tempo em nossas vidas, o que mais escuto são as pessoas dizerem que vivem correndo, e nessa desorganização, o que acontece na realidade de muitos?

As tarefas do lar consideradas “menos importantes”, ficam quase que esquecidas.

No caso do guarda-roupa, o problema de deixá-lo sem uma ordem definida são várias na realidade. Você nunca sabe o que tem, e na hora de se vestir sempre sente dificuldade, e a sensação que sempre precisa de algo, perdendo a oportunidade de fazer vários looks diferentes com o que já tem. Além do caos, com tudo fora do lugar.

Eu não sei você, mas viver na desordem tira a minha energia e me faz perder muito tempo.


Mas com alguns poucos minutos por dia – ou com um dia inteiro – você pode colocar ordem em tudo, e eliminar toda essa desorganização, que primeiro, começa dentro de você.

Para te ajudar nessa tarefa simples, verdade, é simples, você precisa conquistar alguns minutos que você perde com distrações e que sugam o seu tempo, {pode acreditar, perdemos muito tempo com coisas inúteis}, e uma dose de boa vontade. .

Porque vamos combinar, manter a casa em ordem dá uma sensação de bem-estar, de qualidade de vida, já que viver com a bagunça é muito desgastante e estressante. Ainda mais em tempos de quarentena, onde estamos mais em casa do que na rua. Quando o seu espaço, seja ele pessoal ou profissional, está organizado, você ganha tempo, e isso já traz uma sensação boa, além de poder se dedicar a outra atividades. Não é nada inteligente perder horas procurando uma roupa, um documento, ou o que mais você precisar.

Então mãos à obra.


1. Isso me traz felicidade?

Não poderia deixar de compartilhar com você, o método Marie Kondo, pelo menos para essa primeira dica. Já ouviu falar nessa japonesa considerada a mais nova “guru da arrumação”? Tem série no Netflix, pena que são poucos episódios, mas é lindo, é sensível, faz muito sentido e vale a pena ser assistido.

Fiquei refletindo até sobre o meu anelo de um dia construir uma casa. Não quero nada grande, nada que eu não saiba o que tenho, nada que ocupe mais que o tempo necessário em minha vida. Afinal os excessos, ocupam lugar na nossa casa e na nossa mente, não é mesmo?


É preciso entender e viver o “momento desapego”, e o método Marie Kondo é por ai, menos técnico e mais intuitivo. É abraçar cada peça de roupa ou livro e se perguntar “Isso me traz felicidade?“, e guardar tudo de modo que as coisas pareçam “felizes” e em seu devido espaço. O que importa é separar um momento para decidir o que fica e o que deve seguir um novo caminho. A forma como eu compreendi, é que você precisa permitir que a sensibilidade atue, para decidir o você realmente quer manter em casa (e na sua vida!)

Mas se você ainda tem apego a objetos e roupas, refletir alguns aspectos pode facilitar sua decisão: vou te ajudar, divida tudo em grupos:

  • Recicla meu bem: nesse grupo entram objetos quebrados, que perderam sua utilidade, roupas muito velhas. Não doe peças ruins. Se você não usaria pelo estado em que ela está, também não serve para outra pessoa. Que tal reciclar? Para muitos pode ser útil usar como retalhos também.

  • Doar para quem fará bom uso: essa roupa não te faz mais feliz, ou perdeu o sentido para você, talvez nunca tenha feito na realidade. Você ganhou, não trocou, ou até mesmo comprou por impulso, engordou ou emagreceu? Pense em quem poderia fazer bom uso dessas peças que já foram úteis para você, mas que hoje só ocupam espaço.

Ainda assim está resistente? Pense se usou a peça no último ano. Usou? Pense duas vezes. Não usou? Agradeça e ofereça a quem vai fazer melhor uso que você!

  • Mantenha o que te faz feliz: essa parte é a que volta para dentro do seu armário. Peças que te façam feliz, que servem em você, que possuem bom caimento {e significado,claro} e que estão em bom estado. Essas fazem sentido permanecer no seu guarda-roupa.

(foto 1 – Filme as Patricinhas de Bevery Hills)


2. Cada coisa em seu lugar


Já sabe o que vai ficar? Agora é organizar cada coisa em seu lugar.

Nem tudo pode ir para o cabide. É claro que essa dica de organização {e cuidados}, não poderia faltar não é mesmo?

Determine os espaços para os itens e roupas, assim é possível guardar cada categoria de peça sempre no mesmo local definido e a organização permanecerá.

Atenção aos tecidos. Peças de tricô e lã não podem ser penduradas. Como essas peças são mais pesadas, correm o risco de perder o formato original.

Importante organizar suas coisas por categorias, e não por cômodos.

Vá pegando os objetos que pertencem a uma determinada categoria (se forem bolsas, por exemplo, inclua todas as que estão espalhadas pela casa) e reúna tudo num lugar apenas (determinado por você). A ideia é ter espaços específicos para cada tipo de coisa. E nunca guardar em outro lugar que não aquele escolhido.

(foto 2 – nina cho)


3. Cestos x caixas. Qual é melhor?


Os cestos são tão bons organizadores quanto as caixas, mas é recomendado sempre um tipo específico dependendo da situação. Por exemplo, na área íntima, cestos de vime ou tecido são melhores, eu prefiro os de plástico para a área de serviço.

Mas antes de sair comprando vários cestos e caixas, use para organizar o que já tem em casa, como gavetas e caixas. Você pode usar caixas bonitas ou encapar caixas de sapato. Tudo é reaproveitado, inclusive na hora da organização. Coloque a criatividade em ação e reutilize esses produtos.

(foto 3 – westwing)


4. Guarde peças que quase não usa em prateleiras mais altas


Refletir em categorias “quente, morno ou frio”, pode te ajudar a reorganizar de forma prática seu guarda-roupa. Se o objeto for usado constantemente, ele é quente e precisa ficar em um local de fácil acesso, concorda? Se o uso for ocasional, pode ser guardado em um lugar não muito acessível, por exemplo as roupas de festas. E se o uso ocorre com menos frequência, pode colocar em locais de acesso mais difícil, por exemplo, sua roupa de esquiar, ou seu equipamento de mergulho, ou um casaco bem gordo e delicioso que normalmente você só usa em viagens, sabe?

(foto 4 -divinaemulher.com)


5. Pendure cada calça em um cabide, caso não tenha calceiro


Vamos colaborar também com o armário do marido? É indispensável o uso de cabides para calças sociais, principalmente pelo fato de o tecido ser mais fino e delicado. Deixando-as em cabides, você garante que as peças não amassem e estejam bonitinhas para usá-las. Bermudas esportivas podem ser dobradas e guardadas em gavetas, nichos ou também em cabides. Minhas saias e shorts, guardo em nichos, mas as calças jeans, também coloco em cabide.

(foto 5 - istock)


6. Organize suas bolsas em divisórias ou uma ao lado da outra


As divisórias de acrílico deixam o espaço mais clean, além de contribuir ainda mais com uma melhor visualização, ou uma ao lado da outra, assim como eu faço, ainda mais que o meu espaço é pequeno.

Mas você pode explorar cestos organizadores e colocar debaixo da cama se tiver espaço, ou se tiver uma cama baú, a minha, eu coloco as minhas malas, já que não tenho quartinho na garagem.

(Foto 6 – pinterest)


7. E para finalizar, organize por cor


Depois que você já separou as peças por tipos e em espaços específicos, que tal organizar por cores? Dúvidas? Só pensar na sequência de cores do arco-íris, ou, mais fácil ainda, visualizar uma caixa de lápis coloridos {amo}. A organização fica visualmente mais elegante e atraente – e, de novo, facilita na hora de encontrar uma peça.

(Foto 7- ateliê ordenar)

5 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

FIQUE CONECTADO

  • Facebook Clean
  • White Instagram Icon

FAÇA PARTE

PRECISA DE AJUDA?

 

(31) 98829-2907

 

© 2018 por nina cho. Todos os direitos reservados.

Marina Alagia Santos - rua Canadá. 41 . Sion. BH | MG . Brasil . CEP:30310-720. CNPJ: 19.929.308.0001-44